Santo Augusto - Quinta-Feira, 21 de Junho de 2018

Notícia

Alunos da rede municipal de ensino foram contemplados com estudo nutricional
09/04/2018 / Alunos da rede municipal de ensino foram contemplados com estudo nutricional


No dia 19 de março, estiveram reunidas na sala da Secretária Municipal de Educação e Cultura Ana Paula da Rosa Reis, as professoras Ligia Beatriz Bento Franz e Maristela Borin Busnello, Nutricionistas e Orientadoras da Pesquisa: Avaliação do Estado Nutricional, Consumo Alimentar de Atividade Física de Escolares na rede municipal de ensino, sob a orientação da pesquisadora e colaboradora Taize Andréia Rodrigues, nutricionista responsável pela alimentação escolar.
Nesta oportunidade as professoras trouxeram alguns resultados da pesquisa, que foi realizada nos meses de setembro e outubro de 2017 junto às escolas municipais, onde foram coletados dados variáveis como: sexo, idade, peso da massa corporal, estatura perímetro da cintura, idade da menarca, local de residência familiar, renda familiar, hábitos e frequência de consumo alimentar e ainda atividade física. A pesquisa teve como objetivo qualificar ainda mais a identificação do estado de saúde e detecção dos possíveis riscos nutricionais que se apresentam na população escolar, contribuindo com a saúde de nossas crianças e familiares.
Os primeiros dados foram analisados e apresentados pelas acadêmicas em trabalho de conclusão de nutrição pelas alunas Taís Reis de Siqueira, com tema Classificação do Risco Cardiovascular Pelo Perímetro da Cintura de Escolares de um Município da Região Noroeste do Rio Grande do Sul, onde se observou que 27,31% dos avaliados foram classificados em risco cardiovascular e 36,93% em risco nutricional de acordo com IMC. A acadêmica Bruna Mirowski Bohn abordou o tema Relação Entre o Estado Nutricional de Escolares e Renda Familiar e Escolaridade dos Pais onde se concluiu que o nível de escolaridade, o conhecimento familiar e as condições socioeconômicas apresentaram relevância quando comprados com o estado nutricional dos filhos, pois os que referiram renda de 1 a 3 salários mínimos e maior escolaridade, apresentaram risco de sobrepeso, sobrepeso e obesidade maiores do que os de baixo e alto nível socioeconômicos e de escolaridade. Já a acadêmica Claires Laura Arbo Koop trabalhou com o tema Estado Nutricional e a Idade da Menarca de Adolescentes, onde os dados levaram a se constatar que meninas que relataram menarca abaixo da idade adequada, apresentavam estado de sobrepeso e obesidade, o que leva a acreditar que a porcentagem de gordura corporal influência a antecipação da primeira menstruação. 
O sobrepeso e obesidade quando não tratados podem trazer consequências à saúde, que acabam por acelerar os processos de crescimento e maturação sexual, suas consequências vão além de provocar Doenças Crônicas Não- Transmissíveis - DCNTs. Portanto deve ser de interesse e preocupação em promover ações tanto por parte dos pais como e escolas a fim de promover a promoção de saúde e hábitos saudáveis.
Outros dados como de consumo alimentar e atividade física ainda estão sendo avaliados.