Atendimento: (55) 3781-4362

“TRABALHO INFANTIL NÃO É BRINCADEIRA” é o tema de projeto desenvolvido no mês de junho.

“TRABALHO INFANTIL NÃO É BRINCADEIRA” é o tema de projeto desenvolvido no mês de junho.

Data: 5 de junho de 2020

 

Você sabia que o Brasil se comprometeu no ano de 2006, junto à Organização Internacional do Trabalho (OIT), a eliminar até 2020 o Trabalho Infantil doméstico, nos lixões, na agricultura, no comércio informal urbano, na produção familiar dentro do próprio domicílio, na exploração sexual comercial de crianças e adolescentes, no tráfico de drogas, além de todas as demais formas de Trabalho Infantil?

O trabalho só é permitido a partir dos 14 anos como menor aprendiz. Dos 16 aos 18 anos o trabalho é permitido, contudo algumas atividades são proibidas por serem consideradas perigosas, insalubres ou exigirem esforços físicos extremos.

O trabalho infantil é um grande problema social e deve ser enfrentado por todos os segmentos da sociedade para que os direitos das crianças e dos adolescentes sejam respeitados e assegurados.

O CREAS, em parceria com o CRAS, está desenvolvendo durante o mês de junho este projeto de informação e mobilização, alusivo ao combate do trabalho infantil, junto à comunidade santo-augustense.

Dia 12 de Junho é o DIA MUNDIAL DE COMBATE AO TRABALHO INFANTIL e os Centros de Referência em Assistência Social buscam contribuir com a reflexão sobre essa temática tão grave e importante, visando a proteção da infância e da adolescência por meio de atividades desenvolvidas à domicílio e direcionadas às famílias das crianças participantes dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, de 06 à 12 anos, do CRAS.

Na oportunidade, nos dias 03 e 04 de junho, foram entregues materiais com caráter lúdico para as crianças com o intuito de informar basicamente “o que é” e “o que não é” considerado trabalho infantil, compreendendo que essa questão ainda precisa ser em grande medida clarificada para toda a sociedade. As crianças receberam tarefas compatíveis com a sua capacidade psicológica e cognitiva, que afirmam a necessidade de serem responsáveis e colaborativos em seus núcleos familiares e suas famílias foram convidadas a respeitar as fases próprias da vida e do desenvolvimento humano.

Construir brinquedos, cuidar de uma planta, dialogar sobre a temática com os parentes e a leitura de um informativo foram atividades trabalhadas no projeto.
Trazemos um pequeno recorte sobre a questão e o registro da entrega da proposta pelos técnicos às famílias atendidas pelo Serviço, bem como, do retorno enviado pelas famílias ao CREAS.