Atendimento: (55) 3781-4362

⚠️CUIDADOS COM ANIMAIS PEÇONHENTOS

⚠️CUIDADOS COM ANIMAIS PEÇONHENTOS

Data: 11 de fevereiro de 2020

No verão, o calor intenso e a umidade auxiliam na intensificação da vegetação, principalmente nos terrenos baldios, ocasionando a proliferação de animais peçonhentos como aranhas, escorpiões e cobras. A Prefeitura Municipal está vistoriando e notificando os terrenos que apresentam falta de manutenção, mas pede à população que fique atenta às orientações que seguem abaixo.

• DICAS DE COMO EVITAR ACIDENTES:
– Usar botinas com perneiras ou botas de cano alto no trabalho de limpeza de terrenos, pois 80% das picadas atingem as pernas abaixo dos joelhos.
– Usar luvas de couro nas atividades rurais e de jardinagem, bem como transporte de lenha. Não colocar as mãos em buracos na terra, ocos de árvores, cupinzeiros, utilizando para isso um pedaço de pau ou uma enxada.
– Inspecionar roupas, calçados, toalhas de banho e de rosto, roupas de cama e tapetes antes de usá-los.
– Vedar frestas e buracos em paredes, forros, rodapés e assoalhos.
– Limpar as proximidades das casas, evitando folhagens densas junto delas.
– Evitar acúmulo de lixo, entulhos e materiais de construção.
– Utilizar telas, vedantes ou saco de areia em portas, janelas e ralos.
– Avaliar bem o local onde montar acampamentos e fazer piqueniques.
– Combater insetos, principalmente baratas que são alimentos de escorpiões e aranhas.
– Preservar os inimigos naturais (raposa, gambá, gaviões e corujas) e criar aves domésticas, os quais se alimentam destes animais peçonhentos.

• PRIMEIROS SOCORROS
No geral, as picadas causam dor imediata, vermelhidão, inchaço por acúmulo de líquido, calafrios, sudorese e movimentos musculares involuntários. Por isso, preste atenção nos procedimentos:
– Lavar o local da picada de preferência com água e sabão.
– Não fazer cortes, perfurações, torniquetes, nem colocar produtos caseiros, pois estes agravam o envenenamento.
– Levar a vítima rapidamente para o serviço médico mais próximo, levando também, se possível, o animal agressor, mesmo morto, para facilitar o diagnóstico.
– Lembre-se: nenhum remédio caseiro substitui o soro antipeçonhento.

Mais informações:
SEDECOM – Setor de Meio Ambiente: 3781-5238
SMS – Secretaria de Saúde: 3781-3863